Como deve ser feita a manutenção do sistema de combate a incêndio em ambientes com materiais inflamáveis


12 de outubro de 21

Um dos aspectos mais importantes relacionados à segurança, em qualquer indústria, é como que o estado dos equipamentos usados no combate a incêndios estarão no momento em que forem requisitados. Isso inclui todos os componentes, entre eles: avisos sonoros e visuais, detectores de fumaça, sistemas de alarme de incêndio, extintores de incêndio, portas de segurança, iluminação de emergência e etc.

O local que necessita desses sistemas precisa manter a manutenção dos equipamentos em dia, o proprietário, gerente ou responsável pelo local precisa realizar uma avaliação de risco de incêndio, inspecionando todas as áreas das instalações e verificando os possíveis riscos, reportando para um profissional (normalmente um bombeiro) todas as necessidades de manutenção e atualização dos equipamentos.

Em um ambiente onde são armazenados materiais inflamáveis os cuidados devem ser ainda maiores, no caso da indústria os materiais mais perigosos devem ser, se possível, substituídos, podendo ser a melhor maneira de evitar ou reduzir um perigo. Mas nem sempre é fácil ou possível esse processo, para isso é preciso sempre ter em mãos os manuais de cada equipamento e as normas de segurança direcionadas à cada um para ter em mente como agir em cada situação e como trabalhar com esses materiais.

Como analisar o ambiente antes da manutenção

Informe-se sobre todos os perigos de incêndio, saúde, reação química, antes de fazer qualquer alteração ou manutenção. Escolha os materiais menos perigosos que podem fazer o trabalho com eficácia e segurança. Aprenda a trabalhar com segurança com eles também.

É preciso entender os níveis de perigo e cuidados de cada material, fontes de ignição são os principais motivos para que um incêndio comece, bastando ser a mistura de vapor e ar com algum agente de ignição para que uma tragédia ocorra.

Confira alguns desses agentes:

  • Faíscas de ferramentas e equipamentos elétricos.
  • Faíscas em superfícies de metal quente de soldagem e corte.
  • Fumar em ambientes com produtos inflamáveis.
  • Chamas abertas de chama portáteis e unidades de aquecimento, caldeiras, lâmpadas piloto, fornos e secadores.
  • Superfícies quentes, como caldeiras, fornos, tubos de vapor, lâmpadas elétricas, placas quentes, ferros de engomar, dutos e dutos quentes, bobinas elétricas e rolamentos quentes.
  • Brasas e faíscas de incineradores, cúpulas de fundição, fornalhas e fornalhas.
  • Faíscas de operações de moagem e britagem.
  • Faíscas causadas por eletricidade estática de correias giratórias, operações de mistura ou transferência inadequada de líquidos inflamáveis ​​ou combustíveis quentes.

Para evitar o início de ignição durante a manutenção dos equipamentos o proprietário pode eliminar essas fontes, removendo equipamentos que podem agir como agentes de ignição e agir de acordo com as normas de segurança estipuladas pelo fabricante não só dos materiais, mas também dos equipamentos em manutenção.

Todos os equipamentos que puderem ser retirados ou materiais inflamáveis que possam ser evitados é uma ação de segurança importante, além de contar com a experiência de um profissional que possa também trazer uma consultoria especializada para sua manutenção periódica.

Agora que você conhece melhor a forma como fazer a manutenção de equipamentos de combate ao incêndio em ambientes com materiais inflamáveis, a Bucka pode ajudar você a escolher se este é o modelo adequado para o seu empreendimento. Somos uma empresa especializada e dedicada ao desenvolvimento e aprimoramento de sistemas de prevenção e combate a incêndios e poderemos ajudar você a fazer a escolha certa.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *