Os 10 incêndios mais famosos do mundo

Categoria: Eventos, Novidades

Ao longo da história, inúmeros incêndios dos mais variados níveis de devastação foram registrados, e por algum motivo ficaram marcados na história da humanidade.

Muitas vezes, estes incidentes são resultados artificiais de guerras, mas também de técnicas pobres de construção, do uso exacerbado de materiais de construção inflamáveis e a falta de preparação para combater as chamas.

Alguns destes incêndios se destacam em nossa memória, seja por sua gravidade ou por seu papel importante na formação de eventos históricos.

Mas que incêndios são estes? Foram 10, os mais famosos e destrutivos incêndios já registrados.

1. Tóquio, Japão – 1923

A cidade de Tóquio, após ter sido nivelada por um terremoto, em seguida, foi devastada por um incêndio que varreu os escombros. Este evento resultou em um impressionante número de mortos que estima-se em torno de 142 mil pessoas. O que fez deste desastre tão único, foi uma série de fatores em conjunto que produziu um efeito extremamente devastador. O terremoto ocorreu na hora do almoço, enquanto muitas pessoas cozinhavam, resultando em numerosos incêndios que se espalharam rapidamente devido aos ventos fortes de um tufão. Além disso, a tempestade criou um tsunami que somado ao número de mortos e à destruição, resultou na destruição de 570 mil casas.

2. Halifax, Nova Escócia – 1917

A maioria das pessoas nunca ouviu falar deste evento, pois ocorreu durante a guerra e por isso foi, em grande parte, mantido longe da imprensa por censores do tempo de guerra. Mas porto de Halifax, Nova Escócia, foi o cenário da maior explosão acidental feito pelo homem, na história. Na manhã de 06 de dezembro de 1917, quando o navio de carga Mont-Blanc, carregado com munições com destino à guerra na Europa, colidiu com um cargueiro norueguês nos estreitos do porto de Halifax e pegou fogo, resultando em uma explosão tão poderosa (as estimativas são de que ele explodiu com uma força de três quilotons de TNT) que provocou um tsunami no porto e um onda de pressão de ar que estalou árvores, trilhos de ferro dobradas, demoliu edifícios, navios aterrados, e levou fragmentos do Mont-Blanc por milhas em todas as direções. Para piorar a situação, no dia seguinte, uma nevasca atingiu a cidade, o que impediu os esforços para resgatar pessoas de suas casas desabadas. Estima-se que o número de mortos foi de 2.000 pessoas ou mais. Ele também deixou mais de 9 mil feridos e grande parte da cidade em ruínas, deixando porto de Halifax inutilizável.

 3. Cidade de Texas, Texas – 1947

Um pequeno incêndio no porão de um cargueiro ancorado resultou na maior explosão da história dos EUA. Quem diria, não? O cargueiro estava transportando 2.300 toneladas de fertilizante de nitrato de amônio. As pessoas sentiram a onda de choque cerca de 250 milhas de distância em New Orleans. A explosão atingiu um avião de turismo e arremessou uma das âncoras do navio (praticamente a única parte do cargueiro ainda identificável) cerca de uma milha através do ar.

4. Peshtigo, Wisconsin – 1871

Embora muitas pessoas tenham ouvido falar do Grande Incêndio de Chicago de 1871, poucas pessoas estão conscientes de que um segundo incêndio estava ocorrendo ao mesmo tempo a poucas centenas de milhas de distância, no norte do estado de Wisconsin, e que este incêndio seria responsável por mais mortes do que qualquer outro na história dos EUA. Mais atingida foi a pequena cidade de Peshtigo, cuja maioria da população de 1.700 habitantes, morreu nas chamas. (Muitos dos sobreviventes escaparam das chamas por imersão no Rio Peshtigo ou poços próximos, porém, mesmo assim, muitos se afogaram ou sucumbiram à hipotermia nas águas geladas). Foi muito ruim? Testemunhas que sobreviveram relataram que a tempestade gerou um tornado que jogou vagões a centenas de pés e casas inteiras foram arremessadas ao ar.

5. São Francisco – 1906

O incêndio que queimou 25 mil edifícios, mais de 490 blocos da cidade e deixou cerca de 3 mil mortos era ao mesmo tempo natural e feito pelo homem. Natural pois foi um subproduto de um terremoto que atingiu a cidade na madrugada de 18 de Abril de 1906. Muitas das estruturas destruídas pelo homem, foram o resultado de esforços desajeitados por bombeiros destreinados e mal liderados que dinamitaram edifícios, em grande parte, intactos, em uma tentativa de criar aceiros. (Alguns estimam que este fato pode ter sido responsável por até 50% dos edifícios que foram destruídos). No entanto, é notável a rapidez com que a cidade de São Francisco foi recuperada após o desastre.

6. Chicago – 1871

O desastre em Chicago deixou mais de 17 mil estruturas queimadas e 90 mil pessoas desabrigadas. Felizmente, espalhou-se lentamente, o suficiente para que menos de 300 pessoas morressem nas chamas. Mas isso é de pouco consolo para aqueles que foram forçados a enfrentar um inverno frio, sem abrigo. Enquanto não há dúvida de que o incêndio começou em um celeiro na propriedade O’Leary, na rua DeKoven 137, não há nenhuma evidência de que foi causado por uma vaca de uma pobre mulher que teria chutado uma lanterna no celeiro. (Essa história foi inventada por um repórter de jornal que mais tarde admitiu que ele fez isso porque pensou que seria uma hipótese exemplar). Em todo caso, como o fogo de Londres de 1666, o fogo abriu o caminho para uma nova e melhorada Chicago, que renasceu das cinzas e dentro de poucas décadas, tornou-se a grande metrópole que é hoje. Também passou por reformas muito necessárias de combate a incêndios que um dia fariam do corpo de bombeiros de Chicago, um dos melhores do país e seria um modelo pelo qual os outros grandes corpos municipais de bombeiros iriam se basear.

7. Roma, Itália – 64 d.C 

As chamas destruíram o coração da capital do Império Romano. Não há nenhuma evidência de que o imperador Nero estava tocando lira enquanto queimava.  Houve, também, um boato que persiste até os dias de hoje, de que o imperador Nero incendiou a cidade como parte de um plano que consistia em limpar pedaços de imóveis, sobre os quais ele pretendia construir seu novo palácio. O que se sabe, de acordo com o historiador romano Tácito, é que o fogo se espalhou rapidamente e queimou por cinco dias e meio, deixando dez dos quatorze distritos de Roma, completamente destruídos ou seriamente danificados. Aparentemente, ao mesmo tempo que Nero pode não ter sido responsável pelo fogo, ele o usou como justificativa para perseguir a população cristã local, que muitos acusaram ser responsável por definir o incêndio.

8. Londres – 1666

Enquanto a moderna capital da Inglaterra queimou várias vezes, em grande parte, devido à sua construção em madeira e design pobre, foi o grande incêndio de 1666 o mais lembrado, principalmente devido ao impacto que teve sobre os cidadãos, não só de Londres, mas de toda a Inglaterra. Apenas seis pessoas morreram nas chamas, mas o mais interessante sobre esse fogo foi que, na verdade, não intencionalmente, foi benéfico. Como? A área da cidade que mais foi destruída foram as favelas imundas associadas a grande praga que varreu a cidade no verão anterior. Efetivamente foi uma limpeza e, de certa forma, até mesmo a esterilização da cidade. Neste sentido, então, o fogo fez um favor a Londres.

9. Londres – 1212

Muito menos conhecido que o incêndio mais tarde, em 1666, o incêndio que devastou Londres em 1212 foi muito mais mortal, deixando até 3 mil pessoas mortas. Embora os números exatos sobre o número de edifícios destruídos pode nunca ser conhecido, o incêndio destruiu grande parte da área sul de Tâmisa, conhecida como Southwark, deixando cerca de um terço da antiga cidade em ruínas. Este não foi o primeiro incêndio a assolar Londres durante a sua história, como partes da cidade queimada em 1130 e novamente em 1135. Na verdade, a cidade queimou, pelo menos uma meia dúzia de vezes entre 1130 e 1666, tornando-se um dos grandes barris de pólvora no planeta.

10. Boston – 1872

Embora não seja tão grande como aquele em Chicago no ano anterior ou o fogo que estava a assolar São Francisco pouco mais de três décadas mais tarde, o fogo de Boston foi, sem dúvidas, o mais caro em termos de danos materiais que qualquer outro incêndio americano. Isto ocorreu, em grande parte, devido ao fato de que a maioria dos danos foi confinado a áreas centrais das cidades e distritos financeiros, resultando em milhares de habitantes que perderam seus empregos e centenas de empresas que foram destruídas. Na verdade, o incêndio custou tão caro que dezenas de companhias de seguros, tentando pagar a indenização, faliram. Foi um dos incêndios mais devastadores da Costa Leste.

Comentários

5 Comentários

  1. Edilson disse:

    Artigo muito bom, porém há um erro que acredito ser de digitação. Roma pegou fogou em 64 d.C., em não 1964.

  2. Edilson disse:

    Ah… outra coisa, segundo a tradição, não confirmada por historiadores, Nero teria tocado lira, e não violino, que só seria inventado da forma que é hoje, usn 1500 anos depois.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *